Uncategorized

Ácidos para pele no verão: eles existem!

By 02/10/2020 maio 8th, 2020 No Comments

O cuidado promove uma renovação celular e ajuda a controlar as marcas de hiperpigmentação – mas quando a pele está muito exposta ao sol, é preciso saber quais ácidos escolher.

Mais uma volta ao sol ☀️

Chegou mais um verão e, com ele, muitas dúvidas sobre como cuidar da pele. É nessa época que a incidência dos raios violetas fica mais forte e pode agravar as marcas escuras ou imperfeições na pele. Para quem cuida da hiperpigmentação com um tratamento à base de ácidos, é hora de entender os ativos ideais para essa época do ano e evitar um efeito rebote.

Antes de entrar nos detalhes sobre cada ácido, a gente listou os diferentes tipos de hiperpigmentação que merecem cuidado no verão e em todo o resto do ano também:

. Melasma são marcas acastanhadas que se aparecem principalmente no rosto. Elas tem um contorno bem definido, apesar do formato irregular. O melasma está associado a produção de hormônios e é comum na gravidez;

. Hiperpigmentação pós inflamatória é aquela que se manifesta logo depois de uma inflamação de acne, picadas, machucados ou procedimentos estéticos. Em geral, surge mais nas peles acneicas;

. Lentigo são marcas que até parecem sardas, intensificadas pelos raios UVA e UVB. Se manifesta principalmente nas áreas do corpo expostas ao sol. As as marcas de lentigo tendem a aumentar com a idade;

. Hiperpigmentação corporal é causada por uma frequente fricção da pele – em contato com a roupa, na depilação, em procedimentos estéticos e outras situações. É comum aparecer no joelho, axila, virilha e até nos grandes e pequenos lábios da vulva.

Afinal, quais ácidos podem ser usados no verão?

Em contato com a pele, os ácidos promovem um efeito peeling suave, aceleram a renovação celular e estimulam a produção de colágeno – tudo de bom para quem quer acabar com as marcas escuras e deixar a pele mais firme. Nessa época do ano, o ideal é usar ácidos que não sejam fotossensibilizantes e SEMPRE combinar o tratamento com um protetor solar com a rotina indicada pelo seu dermatologista.

Azelato de Lisina

Ácido Glicólico

Garante uma leve esfoliação na camada superficial da pele – em outras palavras, estimula diretamente a renovação celular. Sua ação hidratante também garante uma pele mais lisa, macia e uniforme, com um poderoso efeito rejuvenescedor. Ideal para diminuir as marcas escuras na pele ou cicatrizes de acne. Os tratamentos à base de ácido glicólico só funcionam se o protetor solar estiver presente na sua rotina.

Ácido Ascórbico (Vitamina C)

Promove uma potente ação antioxidante – ou seja, combate os radicais livres causados por uma exposição solar intensa. O efeito antioxidante também age nas linhas finas e flacidez da pele, deixando o rosto mais suave e iluminado. O ativo ajuda a controlar a hiperpigmentação, uma vez que inibe a produção de melanina em excesso. É sempre bom repetir: o tratamento com a vitamina C só é completo se o protetor solar estiver em dia.

Protetor solar: sim, por favor

Tratamentos com os ácidos certos e o hábito de beber bastante água já são um começo para uma pele mais saudável. Porém, o cuidado com a sua pele tem um passo indispensável: passar protetor solar, sempre, principalmente quando em uma rotina de tratamentos com ácidos. Você pode levar o seu na bolsa e retocar a camada de proteção a cada 3 horas. Converse com a sua dermatologista para entender o cuidado ideal para a sua pele.



Quer receber conteúdo seguro e divertido sobre skincare?



Leave a Reply